Val-e-empresario

BARRACO DE LUXO

jan/ 10 /2012

Empresário esculacha a ex-amante, a socialite Val Marchiori, do reality “Mulheres Ricas”

“Um caso de uma noite só”. É assim que o empresário Evaldo Ulinski, dono do frigorífico Big Frango, descreve sua relação com a socialite Val Marchiori, com quem tem dois filhos, os gêmeos Eike e Victor, de seis anos.

Casado há 41 anos com Nylcéia Ulinski, Evaldo diz que a ex é “lunática, fria, calculista e promíscua”: “A conheci por intermédio de seu amante na época, um empresário londrinense. Este é o negócio dela: ser amante de homens casados e bem-sucedidos”.

Val tem outra versão dos fatos e já briga na justiça por seus supostos direitos. “Eles estão casados no papel? Sim, mas Evaldo sempre viveu comigo. Ela (a mulher do empresário, Nylcéia) está com medo de dividir o dinheirinho dela, mas vai ter que dividir, sim. Porque quem foi mulher dele durante oito anos fui eu. E vou provar. Tenho fotos de tudo, tenho vídeos de tudo”, disse.

Val diz que o seu relacionamento com o empresário terminou há dois meses porque ele estaria incomodado com seu sucesso no reality show “Mulheres Ricas”, da Band. “Que sucesso? O sucesso da mentira? Enganando todos os veículos de imprensa e a sociedade paulistana? Ela me elegeu como um trampolim para a sua ascensão profissional e social porque jamais teria espaço em qualquer lugar se não tirasse proveito de meu nome”, responde o empresário, que falou mais na entrevista a seguir.

Como e quando o senhor conheceu a Val Marchiori?

Evaldo Ulinski: Não lembro a data, mas a conheci por intermédio de seu amante na época, um empresário londrinense.

Que tipo de relacionamento o senhor e a Val Marchiori tiveram nesses últimos oito anos?

Evaldo Ulinski: Estritamente sexual, como outros. Mas me permita uma correção: não tenho qualquer relacionamento com ela há oito anos. Em verdade, o ato sexual que culminou com sua gravidez se deu em março de 2005, e o relacionamento havido após a gravidez nada mais foi que uma amizade decorrente do fato de ser pai dos filhos dela.

Como o senhor soube da gravidez?

Evaldo Ulinski: Recebi a ligação de um conhecido e ele me dizia: “Temos um problema, quem será o premiado? Você ou eu?” e eu respondi “De que prêmio você está falando?”. Aí ele foi claro: “A gravidez da nossa amante, a Val!”, e continuou, “Pode ser seu, meu, daquele outro amigo… e se for do outro conhecido, nós saberemos porque é japonês, e daí não vai precisar de DNA. Além disso, o Carnaval do ano em que engravidou ela passou com outro amante, em Miami, então pode ser dele também…”

Falando nesse conhecido meu, no ano passado, ela encontrou com ele e a esposa em um restaurante paulistano, e num ato de ciúmes e fúria, a Val atacou e feriu a mulher com uma taça de champagne. No mesmo restaurante, protagonizou outro escândalo, apanhando do filho de mais uma de suas vítimas.

O senhor pensou em ter algum relacionamento mais sério com a Val ou em se separar da sua esposa?

Evaldo Ulinski: Não me furto da responsabilidade de cuidar e orientar meus filhos, mas sem relacionamento ou intenção de constituir família com a mãe deles, com a qual mantenho apenas amizade, pois sou casado com a Nylcéia há 41 anos. Nunca me separei, nunca estive em processo de separação e moro no mesmo endereço há 21 anos, fato este de conhecimento de todos.

Como o senhor recebeu as últimas declarações que ela deu sobre o relacionamento de vocês? Entre outras coisas, ela disse que vocês estiveram juntos nos últimos oito anos, que o senhor morava com ela em Londrina e que o senhor nunca escondeu de ninguém que ela era sua mulher.

Evaldo Ulinski: Incrédulo com a total falta de verdade e vergonha na cara que vêm sendo peculiar a Val, pois nunca escondi de ninguém que sou casado com a Nylcéia e moro com minha esposa desde o nosso casamento, há 41 anos.

Como o senhor e sua família reagiram diante da notícia da gravidez?

Evaldo Ulinski: A gravidez me foi comunicada por um conhecido e, mesmo grávida, ela continuava tendo relacionamentos com ele e com os outros amantes. Posteriormente, ela me chamou para almoçarmos no restaurante Antiquarius, onde, aconselhada por uma amiga (Cleide), sugeriu que “deveria ser feito o aborto, porém tudo tinha um valor”. Respondi que o maior valor é a vida humana e que não compactuaria com esta decisão se houvesse a possibilidade do filho ser meu. Inclusive, a denunciaria se ela optasse pelo aborto.

Quando conversamos por telefone, o senhor me disse que “não era o único que pagava a conta”, que a Val teve – ou tem – outros amantes. Como o senhor sabe disso?

Evaldo Ulinski: Isso é público, notório e conheço a maioria deles. São seis em Londrina, três em São Paulo e dois em Porto Alegre. Estes, uma dupla de pai e filho. O pai pesava 180 kg e o filho 120 kg.

O fato de ela ter outros amantes incomodava, já que ela e o senhor tinham dois filhos juntos?

Evaldo Ulinski: Não, esse é o negóocio dela: ser amante de homens casados e bem-sucedidos. O que me preocupa apenas é a orientação dos meus filhos.

Em nossa conversa, o senhor também falou muito sobre como ela “extorquiu” os supostos amantes. Ela pediu algum dinheiro, presentes ou algum bem ao senhor?

Evaldo Ulinski: Ela sempre me ameaçou e chantageou. Dizia especialmente que iria expor minha família ao ridículo. Prova disso é exatamente o que está acontecendo agora, pois não cedi aos seus devaneios financeiros.

O senhor também disse que o apartamento em que ela mora não está no nome dela. Ela diz que sim, e que o imóvel foi comprado por vocês dois, em partes iguais. O que tem a dizer sobre isso?

Evaldo Ulinski: Nada. O apartamento é de uma empresa dos meus filhos Eike e Victor, fruto de adiantamento de legítima.

Quando foi a última vez em que o senhor e a Val tiveram algum tipo de relacionamento amoroso?

Evaldo Ulinski: Amoroso nunca.

Foi publicada na internet uma foto do senhor ao lado da Val em uma viagem recente a Buenos Aires, enquanto ela gravava o programa “Mulheres Ricas”. Por que o senhor resolveu acompanhá-la?

Evaldo Ulinski: Eu nunca a acompanhei a Buenos Aires.

Val Marchiori enviou à reportagem fotos de vocês dois juntos em viagens à Angra dos Reis. Em uma, no Réveillon de 2009, vocês aparecem se beijando na boca. Que tipo de relacionamento vocês tinham nessa época?

Evaldo Ulinski: Não passei o Réveillon de 2009 com Val Marchiori em Angra dos Reis, passei com minha esposa, filhos e netos em Balneário Camboriú. Antes do advento dos filhos, saímos esporadicamente, e depois de confirmada a paternidade dos mesmos, apenas mantivemos uma amizade por termos filhos em comum.

Val disse que o relacionamento terminou há dois meses porque o senhor teria ficado incomodado com o sucesso dela. Disse que, enquanto ela era esposa e vivia para o senhor, tudo estava bem. Porém, ela começou a aparecer na mídia e tudo mudou. O que o senhor tem a dizer sobre isso?

Evaldo Ulinski: Que sucesso? O sucesso da mentira? Enganando todos os veículos de imprensa e a sociedade paulistana? Minha esposa? Vivia para mim? Em verdade, ela me elegeu como um trampolim para a sua ascensão profissional e social porque jamais teria espaço em qualquer lugar se não tirasse proveito de meu nome. O que me incomodou foi o fato de ter me eleito como “marido” quando sempre manteve diversos amantes. Ela jamais foi casada comigo e vivia para o submundo, que e o seu habitat natural.

Por que o senhor nunca falou sobre ela até agora?

Evaldo Ulinski: Até a presente data não havia me manifestado em respeito a Eike e Victor. Porém, depois que ela mesma fez questão de desrespeitar os próprios filhos, tirando a calcinha em público no programa de Danilo Gentili, na Band, e declarando que ela tira a calcinha para presentear famosos apresentadores da televisão em seus camarins, me vi na obrigação de dizer a verdade. Impor o respeito devido a minha esposa, Nylceia, meus filhos Junior, Fernanda, Francielle, e meus seis netos, além de Eike e Victor, dando um basta neste mar de mentiras.

Que tipo de relação o senhor tem com seus filhos Eike e Victor? Além de visitá-los, participa da educação deles? Vocês fazem viagens juntos?

Evaldo Ulinski: Relação normal de pai e filhos, e me sinto deveras preocupado com a educação e orientação deles, especialmente diante das reprováveis atitudes de sua mãe, que falta com a verdade, com a moral e com o respeito para com a coletividade.

A Val disse que os advogados dela já estão cuidando da separação de vocês. Isso é verdade?

Evaldo Ulinski: É possível separar quem nuca esteve unido? Nunca mantive união estável, não tive relacionamento amoroso, nunca fui casado com ela e jamais tive qualquer intenção de constituição de família. Meus filhos foram um acaso do destino. Eu os amo, sempre farei tudo por eles e, em respeito a eles, impedirei que a mãe os envolva em um mundo irreal de consumismo e futilidade. Portanto, mais uma mentira de Val Marchiori.

O senhor considera que a relação que tiveram foi um erro?

Evaldo Ulinski: Erro foi não ter me prevenido com relação a uma gravidez de uma caça-dotes. Assim, em um único encontro ela engravidou, nunca existiu relacionamento amoroso ou união estável. A verdade e uma só: após o exame de DNA, que confirmou serem meus filhos, não me furtei à responsabilidade em relação a eles. E só.

Algum arrependimento nesta história?

Evaldo Ulinski: Apenas de meus filhos que amo tanto, Eike e Victor, terem a mãe que têm.

O que o senhor tem a dizer sobre a Val Marchiori hoje?

Evaldo Ulinski: Antes, hoje e sempre: falsária, estelionatária da mídia, amoral, fria, calculista, sem escrúpulos, chantagista, promíscua, lunática e a maior mentirosa do mundo.

***

Gente pobre, né não?

Comente